Odontogeriatria trata da saúde bucal dos idosos

Odontogeriatria trata da saúde bucal dos idosos

Como sabemos, cada fase da vida demanda cuidados diferentes com a saúde.

É o caso, por exemplo, das crianças que, desde muito novas, já realizam as consultas de rotina com o odontopediatra para cuidar da saúde bucal. Mas como esse processo funciona com os idosos?

A estrutura da população brasileira já passou por diversas mudanças. Atualmente, observamos o crescimento cada vez mais relevante da população idosa.

Só nos últimos 6 anos, a população brasileira com 65 anos de idade ou mais cresceu cerca de 26%.

Esse crescimento progressivo desafia a área da saúde a reconhecer as necessidades da pessoa idosa, exigindo cuidados que vão além do básico.

Isso significa atuar de forma especializada. De modo a compreender mais profundamente essas necessidades e carências para, então, agir de maneira mais correta.

É esse o tipo de atenção proposta pela especialidade que conhecemos como geriatria. Ccampo médico que estuda a prevenção e o tratamento de doenças ligadas ao envelhecimento.

A odontogeriatria apoia-se nesta mesma concepção, mas, agora, foca na Odontologia.

Assim, hoje você entenderá melhor do que trata a odontogeriatria. Bem como suas áreas de abrangência e a importância da especialidade para a saúde bucal da pessoa idosa. Confira!

O que é Odontogeriatria?

Como dissemos, a odontogeriatria fornece tratamento especializado para pacientes da terceira idade. Ela é uma área do conhecimento odontológico exercida pelo próprio cirurgião-dentista qualificado no campo.

A qualificação fornece ao dentista conhecimentos do setor da geriatria – estudo do envelhecimento em seu âmbito patológico.

E também da gerontologia – conhecimento do processo do envelhecimento em dimensões biológicas, psicológicas e sociais – , além do desenvolvimento das práticas de ensino adequadas de saúde bucal.

Segundo o Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CRO-SP), o ramo concentra-se no estudo dos fenômenos decorrentes do envelhecimento ligados à cavidade bucal, o que inclui:

  • Promoção da saúde;
  • Diagnóstico;
  • Prevenção;
  • Tratamento de enfermidades bucais;
  • Tratamento do sistema estomatognático do idoso.

Ainda de acordo com o CRO-SP, o especialista em odontogeriatria atua nas seguintes áreas de competência:

  1. Planejamento multidisciplinar integral de sistemas e métodos para atenção odontológica ao paciente geriátrico;
  2. Pesquisa e estudo do impacto de fatores sociais e demográficos no estado de saúde bucal do paciente idoso;
  3. Estudo do envelhecimento do sistema estomatognático, bem como suas consequências;
  4. Estudo, diagnóstico e tratamento de patologias bucais relacionadas ao idoso, incluindo as derivadas de terapias medicamentosas e de irradiação.

Em resumo, a odontogeriatria tem como objetivo contribuir para o envelhecimento saudável por meio dos cuidados preventivos e curativos da cavidade bucal dos idosos.

Olhando para o lado do profissional, apesar da especialidade ter recebido a certificação do Conselho Federal de Odontologia em 2002, atualmente há apenas cerca de 279 especialistas especializados no país.

Isso mostra uma grande demanda na área. Além de pouca concorrência e maior espaço no mercado para os dentistas que desejarem seguir no campo.

Por que os cuidados com a saúde bucal na terceira idade devem ser melhor observados?

A terceira idade é uma das fases da vida que mais requer cuidados especiais com a saúde em geral.

De acordo com o Ministério da Saúde, a população idosa possui um perfil epidemiológico caracterizado por uma tripla carga de doenças.

Com relação à saúde bucal, as vulnerabilidades nessa idade também são grandes.

Estima-se que 41,5% dos brasileiros com mais de 60 anos convivem com a perda total ou parcial dos dentes e, consequentemente, utilizam a prótese parcial removível ou dentaduras.

Além disso, essa é uma das idades mais acometidas pelas doenças periodontais, isto é, a inflamação da gengiva e dos tecidos de sustentação dos dentes.

A gengivite, por exemplo, primeiro estágio da doença periodontal, está entre as patologias crônicas com mais incidência entre os idosos dentados.

Isso porque, segundo o que afirmam muitos levantamentos epidemiológicos, a gravidade e a prevalência das doenças periodontais tendem a aumentar conforme o envelhecimento.

Esse fator se deve a diversas razões relacionadas ao processo da velhice, como a falta de destreza manual na escovação, a redução das defesas do sistema imunológico contra os microrganismos bucais e o envelhecimento das células do periodonto que torna a cicatrização mais lenta.

Já a gravidade da doença baseia-se na quantidade de placa bacteriana acumulada nas gengivas e no tempo que elas permanecem ali.

Fora isso, muitos outros problemas bucais podem ser observados nesta idade, como:

  • Perda de tonicidade da língua;
  • Diminuição da produção de suco gástrico;
  • Redução da sensibilidade gustativa;
  • Diminuição do fluxo salivar;
  • Lesões orais ocasionadas pelo uso de próteses dentárias;
  • Cárie de raiz.

Todos esses fatores apontam para uma necessidade maior na observação dos cuidados bucais da pessoa idosa.

Ressaltando a importância de um profissional que reconheça as particularidades e as enfermidades específicas que atingem a faixa etária, proporcionando condutas clínicas melhor planejadas.

Por que o Odontogeriatra é mais indicado na terceira idade?

Se um cirurgião-dentista não especialista pode atender e realizar normalmente os procedimentos necessários em um paciente idoso, por que a odontogeriatria é mais indicada para os cuidados bucais na terceira idade?

Na verdade, apesar do dentista não especializado estar apto ao atendimento de qualquer paciente, independente da faixa etária, o odontogeriatra é habilitado para atender às necessidades de saúde bucal na terceira idade.

Isso porque o profissional qualificado não foca seus conhecimentos apenas no que abrange a cavidade oral do idoso. Ele trata do reconhecimento humano integral, sob ótica física, emocional, intelectual e social.

Vale ressaltar que a odontogeriatria constitui-se como um campo de pesquisa acadêmica.

O que quer dizer que os dentistas geriátricos possuem acesso mais direto a possíveis avanços no tratamento da saúde bucal dos idosos.

Como a qualidade de vida dos idosos pode melhorar com o cuidado bucal?

Os problemas bucais relacionados à terceira idade são fatores que influenciam diretamente na qualidade de vida desses pacientes. Especialmente nos idosos, os problemas bucais podem impactar na fala, na alimentação e na autoestima.

Dessa forma, estar sob os cuidados de um dentista geriatra pode transformar a qualidade de vida desses pacientes.

Isso não se aplica só no tratamento de patologias orais, mas também aos pequenos cuidados pensados pelo odontogeriatra. Como a sugestão do uso de escova elétrica, que diminui o esforço para escovar os dentes. Ou de escovas com cabos mais espessos, facilitando o manuseio.

Cada pequeno detalhe pode resultar em grandes diferenças e em mudanças consideráveis na qualidade de vida do paciente.

Compartilhar:

Escrever comentário

Nossos telefones

5084-2811 / 5084-2864

Horário de atendimento

Seg a Sex - 8h às 19h